ABRA - AMIGOS DO BRASIL EM PROL DA ÉTICA

SGON, QD. 03, Lote 08 , 249 - Loja 249, Subsolo
Asa Norte - Brasília/DF
70610-630

“Associação Amigos do Brasil – ABRA” foi concebida num contexto de dialética acerca de temas importantes que contribuem para a conservação e manutenção dos valores universais, dos princípios consolidados pela Carta Política de 1988, conscientização do homem e, como consequência, a sobrevivência da vida num ambiente pautado na igualdade de oportunidade de Direitos.

A ABRA, desde seu início, resolveu assumir, juntamente com seus associados, um compromisso de luta contra todos os agentes de degradação do bem público e em prol dos valores humanísticos que são o alicerce dos Direitos fundamentais de toda a sociedade, hoje reconhecidos em âmbito internacional – todavia, pendentes de efetivação em diversos estados.

Assim, entende esta instituição que o restabelecimento das condições de vida plena e decente não ocorrerá por um simples gesto de boa vontade de políticos governantes, mas de uma ação pertinaz, contínua e organizada da sociedade civil. Diante disso, nasceu a proposta que resulta na tarefa de informar, conscientizar e arregimentar a parte possível da população, para que se possa interferir, por meios políticos e legais, nos processos de recuperação da cidadania e da ética no país. O resultado dessa reunião convergiu pra criação da Associação dos Amigos do Brasil, o cidadão ativo é “amigo do Brasil”.

Missão

A Instituição ABRA foi idealizada com o escopo de resgatar valores e princípios universais e prestar assistência às pessoas por meio do conhecimento, tornando-as conscientes e capazes de promoverem um Brasil melhor nos aspectos ecológico, educacional, saudense e principalmente político. A causa existe.

Visão

Com a Instituição da ABRA, cujo foco centra-se na ética política, espera-se criar uma entidade, consciente de que não deve acomodar-se, que seja útil à sociedade, ao invés de apenas apontar as mazelas do país.

Valores

Pretende-se, considerando os ditames individuais, primar pelos princípios que outrora guiavam as ações e condutas das pessoas desde a idade mais tenra. A tolerância, negativa ou omissa, de boa parte das pessoas, com esses fatos está tornando-se, em ritmo acelerado, nociva a valores imbuídos de honestidade, de caráter, de companheirismo e de fraternidade.

Produtos e serviços

A ABRA (www.abra-br.org) possui projetos próprios, auxilia na legalização de ONG's, além das atividades que visam a proteção dos Direitos Difusos e Humanos, dentre eles:

- O "Assessoramento" de ONG's, presta auxílio na regularização de entidades sociais (CNAS nº 109/2009 e nº 27/2011);
- Ações que visem a proteção coletiva da população em relação aos Direitos na Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Difusos;
- Por meio de sua "Comissão Fraterna" promove ainda ações voluntárias de solidariedade em regiões carentes, orfanatos, abrigos e asilos;

Busca em parceria desenvolver projetos, como:
- Cine Cidadão nas Escolas (Creado* em 03/03/2007, e registrado sob nº 4307 no dia 20/12/2007, NJ 246599 no Cartório do 2º Ofício de Notas de Sobradinho - DF);
- ABRA Direitos (Id.);
- Adote um Político (Id.);
- Cartão Social de Descontos (Id.);
- Clube da Leitura Virtual (Creado* em 26/06/2011).

(*) Citando a obra 'Orientando para a autorrealização' do Prof. Huberto Rohden (ed. Martin Claret, 2013, p.09, grifo nosso):

"A substituição da tradicional palavra latina crear pelo neologismo moderno criar é aceitável em nível de cultura primária, porque favorece a alfabetização e dispensa esforço mental – mas não é aceitável em nível de cultura superior, porque deturpa o pensamento.
Crear é a manifestação da Essência em forma de existência – criar é a transição de uma existência para outra existência.
O Poder Infinito é o creador do Universo – um fazendeiro é criador de gado. Há entre os homens gênios creadores, embora não sejam talvez criadores.
A conhecida lei de Lavoisier diz que “na natureza nada se crea e nada se aniquila, tudo se transforma”, se grafarmos “nada se crea”, esta lei está certa mas se escrevermos “nada se cria”, ela resulta totalmente falsa.
Por isto, preferimos a verdade e clareza do pensamento a quaisquer convenções acadêmicas."